Saúde da equipe
January 2022

Burnout: como lidar e proteger seu time

Segundo dados do Isma (International Stress Management Association), mais de 30% dos trabalhadores brasileiros sofrem com burnout e somos o 2º país com maior número de pessoas afetadas pela síndrome. Mas o que é isso?

Conceito

A síndrome de burnout é um distúrbio psíquico causado pela exaustão extrema, sempre relacionada ao trabalho de um indivíduo. Essa condição também é chamada de “síndrome do esgotamento profissional”. O burnout é, inclusive, reconhecido internacionalmente como um transtorno de saúde, registrado no grupo 24 do CID-11 (Classificação Internacional de Doenças).

A importância da saúde mental no mercado de trabalho

Não é de agora que a saúde mental se tornou um tema importante para as grandes empresas. Debates sobre o bem-estar dos funcionários e sobre a necessidade de colaboradores satisfeitos com a jornada de trabalho vêm acontecendo há anos.

No entanto, a mudança forçada no modelo de trabalho tradicional, o acúmulo profissional com as tarefas domésticas, a distância dos colegas e o aumento das demandas no meio de uma pandemia sem precedentes, tornou a discussão mais atual do que nunca.

A busca no Google por termos relacionados a transtornos mentais bateu recordes históricos. 2020 registrou uma alta de 98% quando comparada à média verificada nos dez anos anteriores. E boa parte dessas buscas começam com a expressão “como lidar”.


Quem pode sofrer com burnout

A síndrome é o resultado direto do acúmulo excessivo de estresse, de tensão emocional e de trabalho e é bastante comum em profissionais que trabalham sob pressão constante, como médicos, publicitários e professores, entre diversos outros.

Uma saúde mental comprometida é uma porta de entrada para que o burnout aconteça e, por isso, é muito importante cuidar de seus colaboradores antes mesmo que o primeiro sinal apareça.


Sintomas

Os sintomas são perceptíveis no dia a dia e na convivência. Veja os mais comuns:

  • Atrasos ou ausências, mesmo no home office
  • Agressividade e oscilação de humor
  • Irritabilidade
  • Ansiedade
  • Tristeza
  • Pessimismo
  • Baixa autoestima
  • Dificuldade de concentração
  • Lapsos de memória
  • Introspecção
  • Constante sensação de cansaço

Além dos sintomas psicológicos, alguns sintomas físicos podem ser usados como indicadores, como dor de cabeça, enxaqueca, pressão alta, sudorese, distúrbios gastrintestinais e palpitações.

O que fazer

A principal mudança a ser feita é oferecer melhores condições de trabalho aos funcionários. Isso começa pelo fortalecimento da sensação de segurança e pertencimento dos colaboradores. As ações que incentivam a criação de elos afetivos e melhoram o relacionamento entre os funcionários são essenciais.

A estratégia de bem-estar promovida pela sua empresa, porém, deve ir além. Por isso separamos algumas dicas aqui:

  • Pratique o reconhecimento. Elogie e proponha melhorias constantemente, para que os colaboradores se sintam valorizados
  • Crie processos organizacionais claros, de modo a diminuir a ansiedade e insegurança dos funcionários
  • Defina limites de horário de trabalho e canais de comunicação. Mandar WhatsApp no final de semana deve ser desencorajado!
  • Sugira que os colaboradores não acessem o e-mail após o expediente
  • Abra espaço para a conversa: deixe claro que isso é uma questão e que os colaboradores podem buscar ajuda com seus gestores ou diretamente com o RH
  • Mesmo neste período de distanciamento social, promova atividades de integração
  • Realize pesquisas de clima organizacional para saber como a cultura da empresa é percebida e recebida pela equipe
  • Incentive a prática de atividades físicas
  • Adote iniciativas de gestão de saúde: a Oli é uma empresa especializada em cuidar dos colaboradores. Você pode saber mais sobre como podemos te ajudar, entrando em contato aqui!

Continue lendo